InícioPortalCalendárioFAQRegistrar-seConectar-se
Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Últimos assuntos
» Onde e Aonde
Qua Jul 06, 2011 7:17 am por Edvaldo Feitosa

» VENTO
Qua Abr 27, 2011 5:46 am por Odir, de passagem

» Quadra - Parabéns São Paulo
Ter Fev 08, 2011 2:28 am por Vilma Piva

» OUTONO - I - II - III
Ter Jan 25, 2011 2:55 pm por Vilma Piva

» FUGA / SOLIDÃO
Ter Jan 25, 2011 2:46 pm por Vilma Piva

» Folhas I
Dom Jan 23, 2011 9:38 am por Marli Franco

» Ausência
Dom Jan 23, 2011 9:35 am por Marli Franco

» DEUS NASCEU NO EXÍLIO
Sab Jan 01, 2011 5:21 pm por Vilma Piva

» COMIDAS DE ANO NOVO
Seg Dez 27, 2010 3:01 am por Vilma Piva

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Fórum
Parceiros

Compartilhe | 
 

 Nóis os Virgulino

Ir em baixo 
AutorMensagem
herculano alencar
Amigo Prata
Amigo Prata


Data de inscrição : 16/07/2009
Localização : São Paulo

MensagemAssunto: Nóis os Virgulino   Dom Set 13, 2009 5:34 am

Nóis os Virgulino
Herculano Alencar

Lampião nasceu aceso,
Aluminhando o sertão,
Já com todos os adereço,
E co' a peixeira na mão,
O bofe do lado avesso,
Na bainha do facão,
Estipulou o seu preço,
Pro mode da inflação,
Anunciando o começo,
Da grande revolução.

O sertão mal dividido,
Como rezava o vigário,
Dava pro povo sofrido,
Um tiquinho do salário,
O cerumim do ouvido,
E o diploma de otário,
Pros coroné do partido,
As terra do inventário,
Todo capim produzido,
Nos dia do calendário.

Lampião julgava errado,
E agitou um reboliço,
Juntou uns gato pingado,
Foi falar com pade Ciço,
Apeou , ouviu calado,
Ao santo foi submisso,
Saiu de lá contentado,
Pronto pra dá o serviço,
Já que foi abençoado,
Sem ter de pagar por isso.

Se embrenhou no sertão,
Magote de cabra macho,
Com muita convicção,
Molejo no espinhaço,
Justiça nas oração,
A morte no seu encalço,
Jabá , farinha e feijão,
Rapadura em pedaço,
Cachaça perto da mão,
Pra quando sentir cansaço.

Uma tropa intinerante,
Desde o sertão pro agreste,
Que nem um judeu errrante,
Seguiu o cabra da peste,
Um cavaleiro elegante,
Dono da roupa que veste,
Iniciou um levante,
De norte a sul, leste, oeste,
Cada lugar, uma amante,
Cada amante, um pivete.

Patente de capitão,
Como manda a hierarquia,
Na frente do pelotão,
Pra demostrar valentia,
Lá estava lampião,
Na mira da oligarquia,
Chapéu de couro e gibão,
Que o sertanejo vestia,
E a plena convicção,
De que seu povo servia.

Um guerrilheiro valente!
Um bandido desalmado!
Opinião diferente,
Dividia os dois lado,
Pros ricos não era gente,
Pros pobres era louvado,
Pros coroné e os parente,
Seu facão era afiado,
Pro povo dito, inocente,
Farinha e capote assado.

Foi assim a vida inteira,
Como inté hoje em dia,
Tem fã clube de carteira,
E a raiva da burguesia,
No cinema, tem cadeira,
E esgota a bilheteria,
Na história brasileira,
É folclore ou fantasia,
E o sangue da peixeira
É sua biografia.

Virgulino, o lampião,
Um Lênin tupiniquin,
Não era nenhum ladrão,
Assaltante ou coisa assim,
Era um homem de ação,
Que lutou até o fim,
Embora na contra-mão,
Batendo em gente ruim,
Era de bom coração,
Porém de curto estopim.

Cangaceiro socialista,
Sem utopia e sem nada,
Guerrilheiro estrategista,
Jogava as carta marcada,
Contra os cabra vigarista,
Das mansão encastelada,
Os verdadeiro avalista,
Da pobreza enraizada,
Crescente a perder de vista,
Mesmo pra vista aguçada.

A pobreza que assola,
O Brasil da maioria,
Que vive pedindo esmola,
Que apanha quando arrelia,
Que os coroné inda enrola,
Prometendo melhoria:
Os moleque na escola,
Condução e moradia,
E muito pão na sacola,
Pra acabar com a bóia fria.

Mesma conversa fiada,
Dos tempos de lampião,
Da mesma coronelada,
Que se apossou da nação,
E que vive aquartelada,
Nas mais moderna mansão,
Ou nas igreja lotada,
Fingindo suas oração,
E comendo a marmelada,
Temperada na a eleição.

Oxente, meu companheiro,
Me dê cá a sua atenção,
Pois nós tudo é cangaceiro,
A gente querendo ou não,
Pois o Brasil brasileiro,
É o Brasil de lampião,
Do povo, que sem o dinheiro,
Trabalha na construção,
Da riqueza que o estrangeiro,
Arremata nos leilão.

Vamos vestir o chapéu,
Roupa de couro e gibão,
Pois nada cai lá do céu,
Tem que ter revolução,
Pra tomar dos coronel
A nossa devolução,
É o nosso voto de fé,
Na fé da nossa união,
Nós vamos morrer de pé
Como morreu lampião.
Voltar ao Topo Ir em baixo
herculano alencar
Amigo Prata
Amigo Prata


Data de inscrição : 16/07/2009
Localização : São Paulo

MensagemAssunto: Re: Nóis os Virgulino   Sab Out 10, 2009 10:48 pm

Grato, Elamer, pela sua generosidade !

Abraço fraternal
Herculano
Voltar ao Topo Ir em baixo
Marli Franco
Amigo Diamante
Amigo Diamante


Data de inscrição : 03/07/2009
Localização : São Paulo - SP

MensagemAssunto: Re: Nóis os Virgulino   Sab Nov 28, 2009 8:12 am

Herculano

Querido Poeta vim voar no cordel e acabei ficando enfeitiçada com as preciosidades que aqui encontrei.
Eu tenho que ficar na arquibancada aplaudindo muito, nesta obra prima.

um beijo de violetas e meu carinho
Voltar ao Topo Ir em baixo
herculano alencar
Amigo Prata
Amigo Prata


Data de inscrição : 16/07/2009
Localização : São Paulo

MensagemAssunto: Re: Nóis os Virgulino   Sab Nov 28, 2009 9:33 pm



Grato, querida!

Bjs,
Herculano
Voltar ao Topo Ir em baixo
Odir
Convidado



MensagemAssunto: NÓS VAMOS MORRER DE PÉ COMO MORREU LAMPIÃO   Ter Dez 01, 2009 5:18 am





NÓS VAMOS MORRER DE PÉ
COMO MORREU LAMPIÃO.

( MOTE DO POETA HERCULANO ALENCAR)


Valei-me Santo Expedito,
Virgem Santa me valei!
Cumpridor sendo da lei
no que penso, escrevo e dito,
eu vivo o viver aflito
de quem não tem um tostão
sequer pra comprar um pão
para comer com café.
Nós vamos morrer de pé
como morreu Lampião.

O que dói, o que machuca
é assistir a quizília
dos cartolas de Brasília
metendo a mão na cumbuca!
Não entra na minha cuca
um deputado ladrão
um senador falastrão
roubando de marcha à ré.
Nós vamos morrer de pé
como morreu Lampião.

A gente trabalha duro
para tapear a fome.
Somos famintos sem nome,
sem presente e sem futuro.
Por isso que desconjuro
quem vicia o cidadão.
quem lhe rouba a profissão,
com as bolsas da má-fé.
Nós vamos morrer de pé
como morreu Lampião.

Movimento dos Sem Terra,
Movimento dos sem Teto,
cada qual com seu projeto
trocando a paz pela guerra.
Enquanto o povo se ferra
ao perder a produção,
a turba que tem razão
traz do PT o boné.
Nós vamos morrer de pé
como morreu Lampião

No Distrito Federal
surge nova roubalheira
uma canalhada inteira,
da polícia no curral.
Do Brasil da capital,
vem notícias de montão.
Surge mais um “mensalão”
retirado da ralé.
Nós vamos morrer de pé
como morreu Lampião.

Mais agora eis que nos vem
a solução do problema.
Vamos lembrar desse lema:
NÃO REELEJA NINGUÉM!!!
A força do voto tem
poder de revolução.
Nessa próxima eleição,
vamos ver Deus por quem é.
Ou vamos morrer de pé
como morreu Lampião.

Odir, de passagem, glosando o belo mote do poeta Herculano.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Daniel F
Convidado



MensagemAssunto: Amigo Herculano   Sab Dez 05, 2009 5:18 am

Amigo Herculano. Belíssimo teu cordel. Só pra interagir um pouco. Adorei milhões.

O lampião foi um santo
Se a gente for comparar
Com a violência que há
No Brasil em cada canto
Chega a causar certo espanto.
Seguindo na mesma trilha
Rezando a mesma cartilha
Tem um monte ladrões
Um bando de lampiões
Que vive lá em Brasília.

Domfiuza.
Voltar ao Topo Ir em baixo
herculan
Convidado



MensagemAssunto: Re: Nóis os Virgulino   Sab Dez 05, 2009 5:24 am

Agradeço o privilégio da companhia dos amisgos, Odir e Fiuza e, ao mesmo tempo, que peço desculpas a todos pelo afastamento, mas é que tenho estado sobrcarregado pelo trabalho e estou realizando alguns investimentos na vida profissional que consomem quase todo o meu tempo.

Abraço fraternal,
Herculano Very Happy
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Nóis os Virgulino   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Nóis os Virgulino
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
ESPAÇO CULTURAL PARA OS AMANTES DA POESIA  :: VARANDA POÉTICA :: CORDEL-
Ir para: