InícioPortalCalendárioFAQRegistrar-seConectar-se
Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Últimos assuntos
» Onde e Aonde
Qua Jul 06, 2011 7:17 am por Edvaldo Feitosa

» VENTO
Qua Abr 27, 2011 5:46 am por Odir, de passagem

» Quadra - Parabéns São Paulo
Ter Fev 08, 2011 2:28 am por Vilma Piva

» OUTONO - I - II - III
Ter Jan 25, 2011 2:55 pm por Vilma Piva

» FUGA / SOLIDÃO
Ter Jan 25, 2011 2:46 pm por Vilma Piva

» Folhas I
Dom Jan 23, 2011 9:38 am por Marli Franco

» Ausência
Dom Jan 23, 2011 9:35 am por Marli Franco

» DEUS NASCEU NO EXÍLIO
Sab Jan 01, 2011 5:21 pm por Vilma Piva

» COMIDAS DE ANO NOVO
Seg Dez 27, 2010 3:01 am por Vilma Piva

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Fórum
Parceiros

Compartilhe | 
 

 SURDEZ DISFARÇADA

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Damião Cavalcanti
Amigo Bronze
Amigo Bronze
avatar

Data de inscrição : 03/07/2009
Localização : JOÃO PESSOA - PARAÍBA

MensagemAssunto: SURDEZ DISFARÇADA   Qui Nov 19, 2009 2:18 pm

Damião Ramos Cavalcanti

SURDEZ DISFARÇADA






Vez ou outra, os netos eram repreendidos pelo velho Ramos: “- Fale baixo! Está pensando que estou mouco?” Exatamente o que ele era. Gritávamos para sermos ouvidos e, também, na disputa de quem primeiro seria atendido pelo avô. Esquecidas as vaidades, a surdez, às vezes, aparece na literatura como uma vantagem para dissimular que se tenha escutado o desinteressante, chatices ou inconveniências, até mesmo insultos. Revolta-se quem fala: “diz que é mouco para ouvir apenas o que quer”. De modo que a surdez se torna um filtro de conversas chatas, encurta as prolongadas e também dela se faz uso para não telefonar ou atender telefone. Que nos digam os fonoaudiólogos! Enfim, confirma-se assim o adágio: “Palavras loucas, ouvidos moucos”.

A insurdescência serve também para simular que não se está escutando e descobrirem-se discrições, segredos, mesmo as mais baixas cochichadas. Também, ignorando o grau de surdez, falam do surdo numa tonalidade que lhe é audível. À semelhança do episódio, descrito por Fernando Morais, em “Chatô – O rei do Brasil”, que teria vivenciado “o jornalista Francisco de Assis Chateaubriand Bandeira de Melo, um dos homens mais poderosos do Brasil”, nos seus últimos momentos de vida, acometido de “um acidente vascular encefálico, que provocou coma, tetraplegia, miose intensa, paralisia do véu e das cordas vocais”. Diante desta letargia, Edmundo Monteiro, “João Calmon, Leão Gondim e Austregésilo de Athayde começaram a acertar os detalhes do enterro (...) foi aí que Chateaubriand voltou a ouvir”. Onde seria o velório, no Senado ou no Itamaraty? Ditou Athayde: “- Ele era um imortal, tem que ser na Academia Brasileira de Letras”. E prosseguiu a discussão a identificável “voz de Athayde anunciando que ia para casa preparar o discurso fúnebre. – No dia em que nos conhecemos, dizia ele, Chateaubriand e eu combinamos que o primeiro que morresse seria saudado pelo outro na beira da cova.” Segundo Morais, foi assim que Assis Chateaubriand, que sempre foi um opinante muito bem informado e nisso nutria o seu poder, morreria ouvindo sem opinar sobre seus últimos lutuosos detalhes.

Proverbia-se que os tempos mudaram e andam mudando, em vertiginosa velocidade, os costumes. Avô não dá mais carão; recebe. No caso, em vez de ele reclamar “tá pensando que estou mouco!”, os próprios netos observarão: “Vovô, você está ficando mouco!”, respeitosamente, sem a mínima cerimônia.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: SURDEZ DISFARÇADA   Dom Dez 27, 2009 5:38 am

Mestre Imortal Damião.


Entre loucos e roucos, entre moucos e poucos ouvintes dispostos a escutar, fico afinal com a mouquidão dos sábios que optam por não ouvir.


Interessante crônica essa que você nos oferece!
Voltar ao Topo Ir em baixo
 
SURDEZ DISFARÇADA
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Salamandra/ 42° Capítulo- Roberta se disfarça como enfermeira Roberta Arantes... Lucas se revela!!!

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
ESPAÇO CULTURAL PARA OS AMANTES DA POESIA  :: VARANDA POÉTICA :: SALA DA PALAVRA :: Crônicas-
Ir para: