InícioPortalCalendárioFAQRegistrar-seConectar-se
Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Últimos assuntos
» Onde e Aonde
Qua Jul 06, 2011 7:17 am por Edvaldo Feitosa

» VENTO
Qua Abr 27, 2011 5:46 am por Odir, de passagem

» Quadra - Parabéns São Paulo
Ter Fev 08, 2011 2:28 am por Vilma Piva

» OUTONO - I - II - III
Ter Jan 25, 2011 2:55 pm por Vilma Piva

» FUGA / SOLIDÃO
Ter Jan 25, 2011 2:46 pm por Vilma Piva

» Folhas I
Dom Jan 23, 2011 9:38 am por Marli Franco

» Ausência
Dom Jan 23, 2011 9:35 am por Marli Franco

» DEUS NASCEU NO EXÍLIO
Sab Jan 01, 2011 5:21 pm por Vilma Piva

» COMIDAS DE ANO NOVO
Seg Dez 27, 2010 3:01 am por Vilma Piva

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Fórum
Parceiros

Compartilhe | 
 

 O jegue misterioso

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
herculano alencar
Amigo Prata
Amigo Prata


Data de inscrição : 16/07/2009
Localização : São Paulo

MensagemAssunto: O jegue misterioso   Qua Dez 23, 2009 2:57 am



O jegue misterioso

Herculano Alencar

Todo dia de noitinha
nas banda de Jaicó,
se assunta a ladainha
do coveiro, Seu Jacó,
arrelatando um gemido,
tão triste, tão dilurido,
que inté o diabo tem dó.


__É coisa de dá arrepio
na alma de um cristão.
O cabra morre de frio
mesmo no alto verão.
Molha as calça de suó
ou uma coisa mais pió,
bota peso no calção.


__É pió que assombração
quande a lua tá minguante,
mais pió de que sermão
de pade muito falante;
e mais pió, meu amigo,
de que fleimão no imbigo
e chifre de mau amante.


Dá seguimento na estória
cum a fala de coveiro:
__Dou a mão à palmatória
dou cem conto em dinheiro,
prá qualqué cabra da peste
de norte-sul, leste-oeste,
que quizé sê o primeiro


cabra macho e distemido,
que em noite de pouca lua,
quande sol tivé sumido,
nenhum vivente na rua,
entrá nesse cemitério
e discobrí o mistério,
e cuma é que ele atua.


Em não havendo resposta,
levantei a valentia:
__Tá aceita a sua aposta,
pois marque a hora e o dia,
que este cabra que vos fala
vai tá de cuia e de mala
junto a Vossa Senhoria.


E declinei o meu nome
que é pra niguém duvidá,
acrescido o sobre-nome:
__Herculano de Alencá.
Parido de Margarida,
minha mãe, a mais querida,
que alguém jamais pôde amá.



Por pai, o Seu Segisnando,
que atende por véio Sisa,
que inda tá no comando
ajudando a quem precisa.
Logo ao sê aposentado,
me enviou um recado,
que tá vivendo de brisa.


Dia e hora marcada,
cuma é dos compromisso,
metí os pé na estrada,
discreto e sem rebuliço;
cheguei inda madrugada
c'as roupa toda suada,
benzida por padim Ciço.


Me apresentei pro coveiro:
__Seu Jacó ói eu aqui!
Vá preparando o dinheiro,
pois cabra do Piuaí
num foge de lobisome,
nem é de passá vexame
pro mode de um Saci.


O coveiro deu risada
com seu dente de marfim!
sua bôca escancarada
tinha bafo tão ruím,
que até já era assunto:
"Seu Jacó come defunto
como quem come pudim".


Marchemo pro cimitério,
Jacó na frente, eu atrás.
Ele cuspindo impropério,
maldizia o satanás
e a mula sem cabeça,
e tudo o mais que pareça
com os vivente infernais.


Era quase luz da lua
quande chegamo ao destino;
poucos vivente na rua:
Dois cachorro e um felino.
Atravessemo o portão,
foi quande o meu coração
reclamou dos intestino.


Um vento frio de morte
bateu por riba de mim,
vindo do sul para o norte
cortando os mói de capim.
Me arrepiô os cabelo
e todo o resto dos pêlo,
inté as pedra do rim.


Foi quande ouví um grunido
cortando as iscuridão,
mais forte do que um latido,
mais fraco do que um truvão,
de fazê borrá as calça,
dançá frevo que nem valsa
e valsa que nem baião.


Procurei por Seu jacó,
que bateu em retirada
que nem cachorro cotó
dispois da calda cortada.
Do danado do coveiro,
nunca mais sentí o cheiro
e nem ouvi a risada.


E me largô lá sozinho
em completa solidão,
rodeado de vizinho
habitante de caixão.
Se pego o cabra da peste,
vai sê mais um cafegeste
que ia perdê os cunhão.


Mas cabra do Piauí
num intrega a rapadura,
é de matá sucurí
e mostrá as dentadura.
Vou cumprí meu desafio,
desde ofio a pavío,
num vai sobrá sepultura.


E assim foi dito e feito:
Seguindo a intuição,
afinquei o pé direito
e botei o cu na mão,
só pra mantê garantia,
que com tanta valentia
num ía cagá no chão.


Me embrenhei pelas mata
sempre de orêia em pé.
Ouvi zuada de pata
de bicho de quatro pé
por detrás de um arbusto.
Refeito, dispois do susto,
fui expiá o que é.


Acredite meu cumpade,
num sô cabra de invenção.
Já vi batina de pade
correndo de assombração.
Mas eu nunca ví na vida,
visage tão parecida
com sacanage do cão:


Era um jegue adurmecido,
que tirava uma soneca
do lado dum falecido,
cunhecido por Seu Zeca;
O Seu Zeca do jumento.
Um cabra tão avarento,
que tinha pau na munheca.


Foi a chave do mistério
que eu dei conhecimento.
Pode levá tudo à sério,
nem precisa documento.
O gemido doloroso,
do causo misterioso,
era o ronco dum jumento!
Voltar ao Topo Ir em baixo
 
O jegue misterioso
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Salamandra/ Conheça um pouco a história das três irmãs deste misterioso paradigma!!!

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
ESPAÇO CULTURAL PARA OS AMANTES DA POESIA  :: VARANDA POÉTICA :: CORDEL-
Ir para: