InícioPortalCalendárioFAQRegistrar-seConectar-se
Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Últimos assuntos
» Onde e Aonde
Qua Jul 06, 2011 7:17 am por Edvaldo Feitosa

» VENTO
Qua Abr 27, 2011 5:46 am por Odir, de passagem

» Quadra - Parabéns São Paulo
Ter Fev 08, 2011 2:28 am por Vilma Piva

» OUTONO - I - II - III
Ter Jan 25, 2011 2:55 pm por Vilma Piva

» FUGA / SOLIDÃO
Ter Jan 25, 2011 2:46 pm por Vilma Piva

» Folhas I
Dom Jan 23, 2011 9:38 am por Marli Franco

» Ausência
Dom Jan 23, 2011 9:35 am por Marli Franco

» DEUS NASCEU NO EXÍLIO
Sab Jan 01, 2011 5:21 pm por Vilma Piva

» COMIDAS DE ANO NOVO
Seg Dez 27, 2010 3:01 am por Vilma Piva

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Fórum
Parceiros

Compartilhe | 
 

 Realidade abstrata

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
herculano alencar
Amigo Prata
Amigo Prata


Data de inscrição : 16/07/2009
Localização : São Paulo

MensagemAssunto: Realidade abstrata   Sab Fev 27, 2010 4:58 am

O latido da sereia.

Nasceu com o canto do galo, de parto normal e sem assitência. Aos sete dias de vida ficou órfão de mãe. Do pai não conheceria sequer os genes que lhe deram a tez morena e olhos esverdeados. Sobreviveu sob os cuidados de Tatá, uma velha cadela que perambulava noite e dia pelo casebre em busca de comida. As únicas fontes de sua existência eram a sua própria sobrevivência e as suas lembranças.
Adotou, ainda moço, o nome que carrega até hoje: Tatau. O Seu Tatau, como é conhecido.

Dia de lua cheia... um vento fresco sopra do matagal e brinca em redemoinhos na varanda da casa, uma construção simples, porém muito agradável.
Como sempre, Seu Tatau era o centro das atenções.
Não sabia ao certo a idade, mas estimava que já vivia mais de cinquenta anos depois da morte de Tatá.
Animado com a atenção sincera dos colegas, Seu Tatau, com aquele linguajar caboclo, pobre na gramática e na concordância, começa a contar mais uma das suas muitas estórias:

—Cuma vosmecês sabem, esse cabra aqui foi criado por Tatá, uma cachorra comum, mas de grande coração e sabedoria.
Pois bem... Era luz de lua dum dia de estio, quando escutei um zuada no meio do mato. Pus as orelha de pé, como aprendi com Tatá, mode escutar melhor e ouvir o uivo lastimoso, lá, ao longe: Tatau-au-au-au... Olhei pra minha velha mãe, Tatá, que dormia a sono solto. Mode num acordar a bichinha, saí nas ponta dos pé, atravessei a varanda e me embrenhei na mata.
—Tatau-au-au-au... O uivo lastimoso ficava mais perto!
Vexado como tava num dei fé que minha mãe, Tatá, tava no meu encalço. Andei nas brenha da mata até perder a lua de vista, mas o danado do lamento num mostrava a fuça. Meio sem norte, andava no rumo das venta e de orelha em prumo, quando avistei, por trás dum pé de juazeiro, um bicho esquisito que de longe parecia ser metade gente metade cachorro. Me agachei detrás dum monte de cupim mode num ser visto e fiquei... quietinho... espiando e assuntando. Foi quando dei conta de que num ouvia mais o latido lastimoso.
—De repente o estranho animal se levantou nas patas trazeiras e começou a dançar bem na minha frente. Fui ficando meio tonto e, perdendo as forças e a vontade, me levantei e caminhei no rumo daquele bicho, que já num era mais bicho. Virou uma mulher que mais parecia uma deusa. Uma deusa nua em pêlo, ofercendo os peito no meu rumo...
Como a carne é fraca e o miolo do macho é mole, meio pulo e já estava quase nos braços daquela formosura.
—Auuu...! Auuu...! Ouvi um aulido conhecido bem nas minhas costas. Mal tive tempo de virar e Tatá, minha velha mãe, avançou na bela dona.
—Começou uma luta canina, com latidos, uivos e grunidos. Eu, ainda meio abestado, fiquei alí, parado, sem ação, quando ouvi de novo o uivo lastimoso: —Tatau-au-au-au... mata essa cahorra velha... e leva-me contigo para o paraíso... Mata, Tatau! Mata! Mata!
—Enfeitiçado, marchei pro rumo de Tatá, agarrei ela pelo cangote com uma força dos diabo. Tatá não reagiu! Olhou pra mim com um olhar de mãe e fechou os olhos deixando a lágrima escorrer num último suspíro.
—Larguei Tatá no chão sem vida e virei os olhos pra minha bela formosura: Nada! Não havia nada e nem niguém. Tava só eu e o corpo da minha velha Tatá.
—Entrei em desespero. Corri pra acudir Tatá. Tentei em vão acordar a velha cachora, mas já estava morta. Levantei Tatá no colo, bem perto do coração e marchei sem rumo pela mata. Aqui acolá ouvia, como se viesse do meu próprio juízo, cada vez mais longe o tal uivo: Tatau-au-au-au... Tatau-au... Tatau...

A atenção dos ouvintes quebra-se como por encanto com a voz empostada de Osvaldo, o enfermeiro de plantão: —Hora de se recolherem; —Dêem boa noite, tomem seus medicamentos... e cama!
Assim termina mais um dia na rotina do manicômio São Tomé.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Vilma Piva
Amigo Diamante
Amigo Diamante
avatar

Data de inscrição : 02/07/2009
Localização : Araras - SP

MensagemAssunto: Re: Realidade abstrata   Ter Mar 02, 2010 4:39 am

Herculano , querido Poeta e Escritor

Seu conto está incrível. Bem narrado, levando-nos ao prazer da leitura que entremeia descrição, narração e suspense conduzindo-nos a decifrar o desfecho antes do final, no entanto somos surpreendidos pelo corte que acontece no final.
Que loucura, hein?
Sensacional !! Com toque de Mestre!
Adorei !!!!

Beijos e Aplausos,
Vilma
Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Realidade abstrata
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» [Bairro] - Favela do Cabrião
» Poderes Bloqueados!
» Poderes registrados

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
ESPAÇO CULTURAL PARA OS AMANTES DA POESIA  :: VARANDA POÉTICA :: SALA DA PALAVRA :: Contos Curtos-
Ir para: