InícioPortalCalendárioFAQRegistrar-seConectar-se
Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Últimos assuntos
» Onde e Aonde
Qua Jul 06, 2011 7:17 am por Edvaldo Feitosa

» VENTO
Qua Abr 27, 2011 5:46 am por Odir, de passagem

» Quadra - Parabéns São Paulo
Ter Fev 08, 2011 2:28 am por Vilma Piva

» OUTONO - I - II - III
Ter Jan 25, 2011 2:55 pm por Vilma Piva

» FUGA / SOLIDÃO
Ter Jan 25, 2011 2:46 pm por Vilma Piva

» Folhas I
Dom Jan 23, 2011 9:38 am por Marli Franco

» Ausência
Dom Jan 23, 2011 9:35 am por Marli Franco

» DEUS NASCEU NO EXÍLIO
Sab Jan 01, 2011 5:21 pm por Vilma Piva

» COMIDAS DE ANO NOVO
Seg Dez 27, 2010 3:01 am por Vilma Piva

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Fórum
Parceiros

Compartilhe | 
 

 FOTOS QUE FALAM

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Damião Cavalcanti
Amigo Bronze
Amigo Bronze
avatar

Data de inscrição : 03/07/2009
Localização : JOÃO PESSOA - PARAÍBA

MensagemAssunto: FOTOS QUE FALAM   Ter Mar 09, 2010 8:36 am

Fotos que falam



As máquinas, quando apreendem a imagem, fazem igualmente aos nossos olhos: muitas coisas olham, mas poucas coisas vêem; fotografam, mas não captam com a devida atenção aquilo que foi olhado. De repente, por trás do enquadramento, está o olho do artista, como os de Machado Bittencourt, Antonio David, Gustavo Moura, João Lobo, Guy Joseph e Reginaldo Marinho no seu lindo livro, recentemente lançado, “Verde que te quero ver – retratos de João Pessoa”. E assim, a arte faz a fotografia falar; movimentar-se, quase como no cinema. É a kínesis da arte fotográfica que põe o estático em movimento.

Arte dessa natureza vem testemunhando e contando-nos a história. Fotografias das quais destaco: “O beijo do marinheiro”, em 15 de agosto de 1945, na Times Square, divulgado pela revista Life, comemorando o fim da guerra entre USA e Japão; “No balanço”, registrando pausa para o almoço de operários sentados numa larga viga de ferro, no sexagésimo nono andar do edifício Rockefeller Center, em 1932, marcando a idade de ouro dos arranha-céus; “Desafio ao poder”, com um desconhecido jovem chinês desafiando tanques enfileirados, em 5 de junho de 1989, na Praça Tiananmen em Pequim; “Alça bandeira”, símbolo da tomada da ilha de Iwo Jima, na 2ª Guerra Mundial, por soldados norte-americanos; “Átimos de glória”, que registra um soldado russo alçando a bandeira da então União Soviética, no topo do Reichstag de Berlim, quando os russos, depois do sacrifício de vinte milhões de compatriotas, puseram fim à 2ª Guerra Mundial e ao Fürher do nazismo; “Condenação”, a execução sumária de um vietcongue nas ruas de Saigon, em fevereiro de 1968, despertando grandes protestos contra a guerra no Vietnam; no mesmo ano, na aldeia vietnamita de Trang Bang, o fotógrafo Nguyen Kong mostrou ao mundo a menina de 9 anos, Kim Phu, nua, coberta de chamas de napalm, correndo desesperadamente sem direção. E tantas outras. Há também retratos mais do que divulgados, especialmente pelos judeus, sobre os campos de concentração e holocausto nas câmeras de gás da irracionalidade nazista.

Hoje, com semelhante impacto dessas últimas, vejo fotos das forças israelitas invertendo o que diz o Torá. Sendo mais Golias do que Davi, reproduzem o holocausto em Gaza, como se estivessem vingando os sofrimentos nos campos de concentração. Fotos que gritam mais do que falam. Sofisticados morteiros, made in USA e vendidos pelo belicoso Bush, explodem no ar, fazendo chover nos jardins, casas, escolas e hospitais pontiagudos pedaços de aço indiscriminadamente sobre os corpos de inocentes vítimas, assassinando assim inúmeras crianças. Estarrecidos de dor, os pais enterram seus filhos. Nas cores dos jornais, pálidas faces de meninas e meninos, mesmo mortos, preservam os olhos abertos. São olhares vivos, persistentes, ora de espanto ora de medo, mas sobretudo de incompreensão à perversidade que viram antes de morrer. A revolta clama para que, o quanto antes, cumpram-se as escrituras: Ai! de quem tocar nesses pequeninos. Melhor fora a esses criminosos que lhes pendurasse aos seus pescoços uma pesada pedra e os submergisse na profundeza do mar.
Olhai a foto, “olhai os lírios do campo”, ceifados no desabrochar das suas vidas; flores quase em botão na sua expressão mais bela. Tenras crianças escandalizadas pela maldade humana. Onde? Sim, naquela terra santa, marcada também pela crueldade dos homens brutos.


Damião Ramos Cavalcanti


Última edição por Damião Cavalcanti em Sex Maio 14, 2010 2:14 pm, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Vilma Piva
Amigo Diamante
Amigo Diamante
avatar

Data de inscrição : 02/07/2009
Localização : Araras - SP

MensagemAssunto: Re: FOTOS QUE FALAM   Qua Mar 10, 2010 5:01 am

Damião, querido e Imortal Poeta

Impressionante é tua cronica. Essa compilação de fotos e fatos realmente ficaram gravadas na nossa retina. Só de ler ao lembrá-las nos vem à tona como se fosse hoje o mesmo choque que nos deixou estupefato. Mas nada se compara ao horror que ali ficou gravado nas retinas dessas crianças em terra santa.
Deixo meu dolorido grito inconformado perguntando a esse mundo de Deus: Até quando a maldade, a perversidade, a retaliação, a omissão, continuarão matando tantos inocentes?

Bravissimooooo! Uma crônica para ser lida a qualquer tempo e em todo lugar!
Beijos Reais,
Vilma
Voltar ao Topo Ir em baixo
 
FOTOS QUE FALAM
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
ESPAÇO CULTURAL PARA OS AMANTES DA POESIA  :: VARANDA POÉTICA :: SALA DA PALAVRA :: Crônicas-
Ir para: