InícioPortalCalendárioFAQRegistrar-seConectar-se
Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Últimos assuntos
» Onde e Aonde
Qua Jul 06, 2011 7:17 am por Edvaldo Feitosa

» VENTO
Qua Abr 27, 2011 5:46 am por Odir, de passagem

» Quadra - Parabéns São Paulo
Ter Fev 08, 2011 2:28 am por Vilma Piva

» OUTONO - I - II - III
Ter Jan 25, 2011 2:55 pm por Vilma Piva

» FUGA / SOLIDÃO
Ter Jan 25, 2011 2:46 pm por Vilma Piva

» Folhas I
Dom Jan 23, 2011 9:38 am por Marli Franco

» Ausência
Dom Jan 23, 2011 9:35 am por Marli Franco

» DEUS NASCEU NO EXÍLIO
Sab Jan 01, 2011 5:21 pm por Vilma Piva

» COMIDAS DE ANO NOVO
Seg Dez 27, 2010 3:01 am por Vilma Piva

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Fórum
Parceiros

Compartilhe | 
 

 SAMUEL DUARTE, O INTELECTUAL

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Damião Cavalcanti
Amigo Bronze
Amigo Bronze
avatar

Data de inscrição : 03/07/2009
Localização : JOÃO PESSOA - PARAÍBA

MensagemAssunto: SAMUEL DUARTE, O INTELECTUAL   Dom Mar 21, 2010 6:57 pm

Damião Ramos Cavalcanti

SAMUEL DUARTE, O POLÍTICO

Wellington Aguiar e José Octávio confirmam o orgulho de Samuel Vital Duarte ao afirmar ter lutado, com ações e palavras na Revolução de 30; dedicar-se à vida pública, mesmo obstado pelos excessos de modéstia. Pois, faltava a Samuel o que o Seminário, escola de altruísmo e solidariedade, nunca ensinou: enfrentar o frisson da competição, o frêmito da concorrência, cujo elã é motivado mais pelos interesses pessoais do que pelos solidários. Não lhe bastava seu excepcional valor para levá-lo às mais altas funções: mantinha-se à espera de quem desse vez a um homem culto, honesto, competente e de ideias. De tanto esperar, desesperançou-se: “Não nasci para as grandes altitudes”, embora as desejasse.
Samuel Duarte, Diretor de A União, no governo de Antenor Navarro, realizou excelente trabalho. Cassado pelo então golpe de Estado, quando Deputado Federal de 1934 a1937. Nesse intermezzo, assessora o Jurídico do Banco do Brasil em Recife. Com o falecimento de Borja Peregrino, Rui Carneiro o indica para a Secretaria do Interior e Justiça, que, à época, equivalia à Vice-Governadoria. Nos últimos dias do Governo de Getúlio, a pedido de Rui, Samuel é, por pouco tempo, interventor na Paraíba; logo após, passa a advogar. É eleito, em 1945, pelo PSD, Deputado Federal e membro da Comissão de Constituição e Justiça; entre 1947 e 1949, assume, por duas vezes, a Presidência da Câmara, impondo-se pela erudição e domínio dos assuntos legislativos. Em 1950, é cotado para Vice – Presidência da República, na chapa de Getúlio Vargas. Mas, nesse mundo, não crescem, a contento, árvores que sombreiam; avantajam-se árvores medianas ou de pequeno porte. Assim, Samuel sempre foi vítima do seu próprio valor.
Na Câmara Federal, demonstrou altivez, autorizando Gregório Bezerra, líder do PC cassado por Dutra, a pronunciar contundente discurso. Não se candidatou à Câmara em 1954, fazendo-o em 1958, derrotado por Rui que transferiu seus votos para o irmão Jandhuy Carneiro e por ele apoiar o divórcio, incluído então no “index prohibitorum” dos candidatos divorcistas. Como Partidor Judicial, permanece no Rio de Janeiro. Até que se elegeu Presidente da OAB de 1967 a 1969; a partir de então, destacou-se, com o Cardeal Evaristo Arns, contra a repressão, em defesa das liberdades democráticas. Morre, em três de dezembro de 1979, no Rio, onde está sepultado esse digno e corajoso imortal paraibano.
Voltar ao Topo Ir em baixo
 
SAMUEL DUARTE, O INTELECTUAL
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
ESPAÇO CULTURAL PARA OS AMANTES DA POESIA  :: VARANDA POÉTICA :: SALA DA PALAVRA :: Crônicas-
Ir para: