InícioPortalCalendárioFAQRegistrar-seConectar-se
Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Últimos assuntos
» Onde e Aonde
Qua Jul 06, 2011 7:17 am por Edvaldo Feitosa

» VENTO
Qua Abr 27, 2011 5:46 am por Odir, de passagem

» Quadra - Parabéns São Paulo
Ter Fev 08, 2011 2:28 am por Vilma Piva

» OUTONO - I - II - III
Ter Jan 25, 2011 2:55 pm por Vilma Piva

» FUGA / SOLIDÃO
Ter Jan 25, 2011 2:46 pm por Vilma Piva

» Folhas I
Dom Jan 23, 2011 9:38 am por Marli Franco

» Ausência
Dom Jan 23, 2011 9:35 am por Marli Franco

» DEUS NASCEU NO EXÍLIO
Sab Jan 01, 2011 5:21 pm por Vilma Piva

» COMIDAS DE ANO NOVO
Seg Dez 27, 2010 3:01 am por Vilma Piva

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Fórum
Parceiros

Compartilhe | 
 

 O DESAPARECIMENTO DA CASA

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Damião Cavalcanti
Amigo Bronze
Amigo Bronze
avatar

Data de inscrição : 03/07/2009
Localização : JOÃO PESSOA - PARAÍBA

MensagemAssunto: O DESAPARECIMENTO DA CASA   Seg Maio 24, 2010 9:08 am


O DESAPARECIMENTO DA CASA

- Meu senhor, aqui não existia uma casa, de alpendre, de jardim com um jenipapeiro por trás? Respondeu-me sem olhar, como se ignorasse o óbvio: – Não vê?! Não, não existe mais. Distanciou-se o estranho desconhecido, pensando satisfazer-me com a lacônica informação. Fizera todos os planos para ali chegar e, no entanto, havia desaparecido o principal motivo da viagem: rever a casa, parte das brincadeiras da infância, primeira imagem das minhas lembranças... Mas, como bem vi e ouvi, já não existe mais e, sem ela, a rua mudou de tal forma que comecei a não reconhecer a cidade. Prédios, em lugar de casas; alumínio e zinco, substituindo esquadrias, onde se batiam e gritavam os “ô de casa!”. Uma profusão de lojas, vitrinas, algumas com portas de esteira. Orgulho inovador da pequena cidade: uma loja quase com paredes de vidro, de teto metálico, ocupando o espaço de belos casarões, para entronizar manequins vestidos de shorts, saias, blusas e paletós.

A ponte, de onde se admiravam as águas do rio, igualmente não existe mais, havia desabado numa das grandes cheias. Os mais velhos costumavam acomodar-se ali, todas as tardes, uns de cigarro apagado na orelha, outros a palitarem os dentes, mirando, sob a aba de surrados chapéus, bois, carneiros e bodes, matando a sede na margem do outro lado. Alguns saíam de casa pelo quintal, que ligava o sítio ao rio. E, ao chegarem ao lugar de costume, já encontravam os amigos de bate-papo, numa espontânea conversa que se prolongava até a hora do jantar. Acompanhou-se a construção da ponte: musculosos trabalhadores trazidos por caçambas, sob as ordens do Chefe do DER em Itabaiana, doutor Ivon Rabello. Pois, em Pilar, pouca gente sabia fazer aquele trabalho de fincar enormes colunas, armadas com ferro e concreto, no leito do rio.

Se já não existe mais a casa na rua e na cidade da fiel história, ponte... que importa?! Trocaram lindos casarões pelo comércio de coisas sem valor, que desaparecem em pouco tempo sem enfrentar a vida como a velha e robusta casa derrubada. Bem protestou Cícero, no discurso “Pro domo” (Pela própria casa), quando, de volta à Roma do exílio na Grécia, exigiu a indenização pela sua casa incendiada como se cobrasse parte da pátria perdida. Quanto ao caro leitor, indenizar o quê? A casa, onde se realizou parte da nossa vida, torna-se, para sempre, na realidade ou na esforçada memória, insubstituível castelo.


Damião Ramos Cavalcanti www.drc.recantodasletras.com.br
Voltar ao Topo Ir em baixo
Vilma Piva
Amigo Diamante
Amigo Diamante
avatar

Data de inscrição : 02/07/2009
Localização : Araras - SP

MensagemAssunto: Re: O DESAPARECIMENTO DA CASA   Ter Maio 25, 2010 2:12 am

Damião, querido Poeta/Cronista,

A ganância imobliária e o orgulho inovador das pequenas cidades tem substituido, por vezes gradativamente ou até de uma só vez, grande parte da sua própria história, restando pontos apenas para se lembrar dos costumes, hábitos de um povo daquele lugar.
Um bom alerta, mesmo que o progresso seja a ordem, temos muito o que preservar.....
Tenho feito minhas preces pela minha casa que um dia foi meu "grande castelo" .
E me pergunto: - Até quando ela estará lá , de pé, diante do moderno e da necessidade progressista....

Parabénsssss por tua bela crônica conduzindo-nos entre lembranças e realidades.

Beijos Lindos,
Vilma
Voltar ao Topo Ir em baixo
Damião Cavalcanti
Amigo Bronze
Amigo Bronze
avatar

Data de inscrição : 03/07/2009
Localização : JOÃO PESSOA - PARAÍBA

MensagemAssunto: Re: O DESAPARECIMENTO DA CASA   Dom Jun 06, 2010 4:36 pm

Vilma Piva escreveu:
Damião, querido Poeta/Cronista,

A ganância imobliária e o orgulho inovador das pequenas cidades tem substituido, por vezes gradativamente ou até de uma só vez, grande parte da sua própria história, restando pontos apenas para se lembrar dos costumes, hábitos de um povo daquele lugar.
Um bom alerta, mesmo que o progresso seja a ordem, temos muito o que preservar.....
Tenho feito minhas preces pela minha casa que um dia foi meu "grande castelo" .
E me pergunto: - Até quando ela estará lá , de pé, diante do moderno e da necessidade progressista....


Parabénsssss por tua bela crônica conduzindo-nos entre lembranças e realidades.

Beijos Lindos,
Vilma

QUERIDA POETISA VILMA, Você foi ao coração da alcachofra: a ganância e a procura desmedida pelo lucro assassinam a memória, o patrimonio e a hsitória do nosso povo. Derrubam para construir em cima do historicamente construído e tanto espaço para as novas construções... Irracionalidade, mas também omissão de quem tem alguma sensibilidade. Beijos, Damião Cavalcanti www.drc.recantodasletras.com.br
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: O DESAPARECIMENTO DA CASA   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
O DESAPARECIMENTO DA CASA
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Almoço do Café na Casa do Ogro 08/05/2010 Fotos e Video
» Quando o kit de unhas fica em casa...
» Fazendo decais em casa!
» Querido, Mudei a Casa!
» O Avô Fugiu de Casa

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
ESPAÇO CULTURAL PARA OS AMANTES DA POESIA  :: VARANDA POÉTICA :: SALA DA PALAVRA :: Crônicas-
Ir para: