InícioPortalCalendárioFAQRegistrar-seConectar-se
Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Últimos assuntos
» Onde e Aonde
Qua Jul 06, 2011 7:17 am por Edvaldo Feitosa

» VENTO
Qua Abr 27, 2011 5:46 am por Odir, de passagem

» Quadra - Parabéns São Paulo
Ter Fev 08, 2011 2:28 am por Vilma Piva

» OUTONO - I - II - III
Ter Jan 25, 2011 2:55 pm por Vilma Piva

» FUGA / SOLIDÃO
Ter Jan 25, 2011 2:46 pm por Vilma Piva

» Folhas I
Dom Jan 23, 2011 9:38 am por Marli Franco

» Ausência
Dom Jan 23, 2011 9:35 am por Marli Franco

» DEUS NASCEU NO EXÍLIO
Sab Jan 01, 2011 5:21 pm por Vilma Piva

» COMIDAS DE ANO NOVO
Seg Dez 27, 2010 3:01 am por Vilma Piva

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Fórum
Parceiros

Compartilhe | 
 

 Bem-me-quer-mal-me-quer

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Marco Hruschka
Amigo Bronze
Amigo Bronze
avatar

Data de inscrição : 28/05/2010
Localização : Maringá

MensagemAssunto: Bem-me-quer-mal-me-quer   Dom Maio 30, 2010 6:23 am

Não estava conseguindo dormir. Tivera sonhos agitados. As imagens eram dispersas e rápidas, flashs ligeiros, embaralhados, várias cenas ao mesmo tempo. Rolara na cama desde a hora em que se deitou, virava de um lado para outro, trocava de travesseiros, trocava de sonhos iguais. Suava. O ventilador estava ligado, mas lá fora fazia primavera. De fato, há coisas que fazemos somente pelo hábito. Era herança do verão, pois. Chovia. O barulho da chuva o incomodava. Todo ruído que não fosse o de seus pensamentos o incomodavam. Com o alvoroço dentro de si ele já se acostumara. A lua já não aparecia nos céus, estava escondida entre nuvens negras e pensamentos longínquos.
Sentiu o estômago torcido, achou que estava passando mal. Resolveu levantar-se. Meio zonzo, com a cara contrariada, saiu do quarto sem acender nenhuma luz, guiando-se pela experiência adquirida em noites em claro. Foi direto à cozinha, pois era lá que guardava sua caixa de medicamentos. Esbarrou na mesa, não era comum. Então acendeu as luzes. Tomou remédio para dores de cabeça. Em seu inconsciente, achava que eliminaria o turbilhão de imagens desconexas que insistiam em lhe perturbar. Em seguida, sal de frutas. Alívio parcial. Foi até o banheiro. Olhou-se no espelho do armário. Abriu bem os olhos verificando se encontrava alguma anomalia. Em seguida, a boca e a língua. Depois ergueu a cabeça para observar as narinas. Não havia nada de errado com seu rosto, mas sentiu vontade de usar cotonetes nos ouvidos. Achou que poderia tocar seus pensamentos com o objeto. Os cotonetes seriam a ponte entre si e seus segredos, o milagre, a epifania, o mapa do tesouro, a descoberta. Enfiou o mais fundo que pôde. Ambicionava ser-se um só, corpo e mente, para poder controlar-se. No entanto percebeu que não podia, estava além de seu alcance, de seu poder. Conteve-se no limite e outro alívio tomou-lhe a alma, uma sensação de leveza. Entretanto, ele não sabia, mas as imagens continuavam lá.
Voltou à cozinha, abriu a geladeira e ficou imaginando o que realmente ansiava. Seria fome? Sede? Desejo? Esperança, talvez? Tudo! Misturado e conturbado como também era a sua vida. Ele pensava demais, mesmo quando não queria. Sentia demasiado também, mas isso era por opção. Num reflexo instintivo, apossou-se do litro de leite e sorveu-o todo. Ao fim, sorriu sem perceber, de um sorriso ligeiro e sincero.
Andou pela casa sem saber o que estava fazendo até que viu a porta de vidro da sala, que dava para a sacada. Vou tomar um ar, pensou. Saiu. A brisa primaveril percorreu-lhe o corpo, arrepiando-lhe. Sentiu calafrios. O mais provável seria aconselhar-lhe um agasalho mais grosso, não se pode abusar da saúde. Mas não era o caso. Era um sinal. Um pressentimento, talvez.
Olhou para o céu e agora podia ver a lua, toda branca. Beberia essa lua, associou. Mas não podia porque já estava cheio, repleto de si mesmo. Ficou ali por alguns minutos, refletindo e aguardando uma estrela cadente, Pediria uma noite de sono, falou em voz baixa. Eles não vieram, nem a estrela e nem o sono. Haverá ainda noites de insônia ou de vigília, como esta que aqui acompanhamos. Mas o jovem não descobrirá o motivo que não o deixa dormir. Velará ainda por sete dias, tempo que durará o seu transtorno, a deusa dos seus sonhos, a dúvida de além, o bem-me-quer-mal-me-quer que lhe aflige.


Última edição por Marco Hruschka em Qua Jun 09, 2010 4:03 am, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Vilma Piva
Amigo Diamante
Amigo Diamante
avatar

Data de inscrição : 02/07/2009
Localização : Araras - SP

MensagemAssunto: Re: Bem-me-quer-mal-me-quer   Dom Maio 30, 2010 4:05 pm

Marco, querido Poeta/Escritor

Um texto prá se aplaudir, rico em detalhes, cuidadosamente elaborado, tal qual um filme registrando passos e pensamentos que ecoam de uma noite insone.
M A R A V I L H A !

Meus aplausos,
Vilma
Voltar ao Topo Ir em baixo
Marco Hruschka
Amigo Bronze
Amigo Bronze
avatar

Data de inscrição : 28/05/2010
Localização : Maringá

MensagemAssunto: Re: Bem-me-quer-mal-me-quer   Seg Maio 31, 2010 12:18 am

Que isso... obrigado e abraços!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Bem-me-quer-mal-me-quer   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Bem-me-quer-mal-me-quer
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Alguém quer objects v3 ou v1?
» [Dúvida] Selos - Bandai
» Rota X: A partida do navio cargueiro... e mais alguns... - parte 3
» [Enquete] Qual a próxima Estampa que você quer na camiseta do Fórum?
» Pra quem quer aprender a esculpir!

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
ESPAÇO CULTURAL PARA OS AMANTES DA POESIA  :: VARANDA POÉTICA :: SALA DA PALAVRA :: Contos Curtos-
Ir para: