InícioPortalCalendárioFAQRegistrar-seConectar-se
Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Últimos assuntos
» Onde e Aonde
Qua Jul 06, 2011 7:17 am por Edvaldo Feitosa

» VENTO
Qua Abr 27, 2011 5:46 am por Odir, de passagem

» Quadra - Parabéns São Paulo
Ter Fev 08, 2011 2:28 am por Vilma Piva

» OUTONO - I - II - III
Ter Jan 25, 2011 2:55 pm por Vilma Piva

» FUGA / SOLIDÃO
Ter Jan 25, 2011 2:46 pm por Vilma Piva

» Folhas I
Dom Jan 23, 2011 9:38 am por Marli Franco

» Ausência
Dom Jan 23, 2011 9:35 am por Marli Franco

» DEUS NASCEU NO EXÍLIO
Sab Jan 01, 2011 5:21 pm por Vilma Piva

» COMIDAS DE ANO NOVO
Seg Dez 27, 2010 3:01 am por Vilma Piva

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Fórum
Parceiros

Compartilhe | 
 

 Servos

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Marco Hruschka
Amigo Bronze
Amigo Bronze
avatar

Data de inscrição : 28/05/2010
Localização : Maringá

MensagemAssunto: Servos   Seg Maio 31, 2010 12:20 am

Na paragem, um homem bem portado, coluna ereta, olhar soberano, feição séria, fardado e com a mão direita no bolso do casaco tricolor espera a condução. Lentamente, aproxima-se outro homem, aparentemente maltrapilho, vestindo apenas uma túnica comprida de cor clara e sandálias. Possui barba e bigode compridos. O recém-chegado avista o oficial com olhos curiosos mas ao mesmo tempo receosos. Ao perceber que está sendo analisado, o cidadão de roupa nobre indaga:

- Que queres tu?

Após um breve silêncio reflexivo, ouve-se a resposta-investigadora:

- Quem tu és?

- Mas que disparate, como ousas tratar-me por tu? Indigente!

- Perdão, expressou-se, sem entender muito bem, o “mal vestido”.

- Isso mesmo que ouviste, sabes com quem falas?

- Não, foi exatamente o que lhe perguntei.

- Ora essa, estás a falar com Napoleão Bonaparte, comandante das tropas francesas que conquistaram a Europa.

Silêncio.

Um franzir de testa foi inevitável ao ancião. Admirou-se? Assustou-se? Será que teve medo ou rir-se-ia? E se realmente fosse quem tivera dito?

Refletiu sobre aquelas palavras e respondeu:

- Desculpe-me o abuso, mas, se tendes a Europa para vós, o que fazeis aqui, na paragem? Para onde irdes?

Sem perder a postura, levanta levemente o queixo e responde:

- Vou para a Lua!

A atmosfera toda se fazia confusa com aquela conversa, e o cidadão, curioso talvez, indaga-lhe novamente:

- Mas, enfim, o que desejais na Lua?

- Olho-a todas as noites e é como se ela me convidasse a conquistá-la, conquistá-la-ei, pois! Disse-lhe com a resposta na ponta da língua o utopista. Seria utopia?

- Mas chega de conversa fiada, quem pensas que és para querer saber de meus planos futuros? Inquiriu, quase que irado, o oficial.

- Chamam-me Sócrates, o sábio, mas prefiro ser somente Sócrates.

- Ah, Sócrates, o sábio, não é?! E o que sabes que eu não sei?

- Só sei que nada sei!

- Brincas comigo, intrépido?

- Não, não sou de muitas brincadeiras, mas digo-lhe a verdade.

O ambiente, por segundos, tornou-se taciturno. Os dois se entreolhavam sem se conhecerem, sem medo nem audácia. Enfim, para cortar aquele silêncio que incomodava a autoridade ali presente, esse perguntou:

- E tu, o que fazes aqui, para onde vais?

- Vou ao encontro de mim mesmo, responde o grisalho com um leve sorriso de complacência.

- Deveras me achas um ignorante! Explica-te ou mando prender-te!

- Não há motivo para tanta raiva, serei mais claro. Viajarei para dentro do meu “eu”, em busca de minha verdade.

- E achas realmente que passará uma condução cujo destino é “eu”?

- Com todo o respeito, não me entendes. Posso conseguir o que quero aqui mesmo, logo adiante, ou, sempre de modo mais rápido, em contato com a natureza, com a solidão de si próprio, basta uma revelação, a epifania, para que possamos entender o porquê de estarmos aqui e agora.

- Não me importam essas coisas, para mim, o que vale é liderar amparado em estratégias, conquistar, expandir o império.

- E a virtude?

- A virtude está no ato de vencer e ser admirado...

Sem ser percebido, aproxima-se um homem de aparência velha e respeitável e diz-lhes, pegando-os de surpresa:

- Tolos! Em verdade, em verdade vos digo: Nem um nem outro está livre do meu domínio, sois apenas instrumentos de minha vitória.

Aquele que mantinha a mão no bolso até então, indignado, pergunta-lhe logo:

- És quem, ó atrevido?

- Bento, João, Pedro, Clemente, Paulo, tenho vários nomes, escolham um, não importa. O que importa é que do meu trono dourado conquistarei o mundo. Nem o teu batalhão, que por sinal é mais meu do que teu, e nem a tua filosofia, nem aquele cidadão de aspecto oriental que trabalha ali, sem cessar, sem ser visto, ninguém poderá mudar o rumo do que é predestinado desde os primórdios. Meu reinado não é efêmero, é eterno. Sigam-me e os perdoarei.

E a alma do pequeno Estado jubilava... desde os primórdios.


Última edição por Marco Hruschka em Qua Jun 09, 2010 4:03 am, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Marli Franco
Amigo Diamante
Amigo Diamante


Data de inscrição : 03/07/2009
Localização : São Paulo - SP

MensagemAssunto: Re: Servos   Seg Maio 31, 2010 1:43 am

Marco

Maravilhoso texto Poeta , carregado de sabedoria .Uma reflexão existencial abrangente,o foco nas virtudes se faz presente e eleva a mente em rumos do aprimoramento da evolução.

Apreciei muito ler tua criação caro Poeta,os meus aplausos.

um beijo de violetas e meu carinho
Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Servos
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
ESPAÇO CULTURAL PARA OS AMANTES DA POESIA  :: VARANDA POÉTICA :: SALA DA PALAVRA :: Contos Curtos-
Ir para: