InícioPortalCalendárioFAQRegistrar-seConectar-se
Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Últimos assuntos
» Onde e Aonde
Qua Jul 06, 2011 7:17 am por Edvaldo Feitosa

» VENTO
Qua Abr 27, 2011 5:46 am por Odir, de passagem

» Quadra - Parabéns São Paulo
Ter Fev 08, 2011 2:28 am por Vilma Piva

» OUTONO - I - II - III
Ter Jan 25, 2011 2:55 pm por Vilma Piva

» FUGA / SOLIDÃO
Ter Jan 25, 2011 2:46 pm por Vilma Piva

» Folhas I
Dom Jan 23, 2011 9:38 am por Marli Franco

» Ausência
Dom Jan 23, 2011 9:35 am por Marli Franco

» DEUS NASCEU NO EXÍLIO
Sab Jan 01, 2011 5:21 pm por Vilma Piva

» COMIDAS DE ANO NOVO
Seg Dez 27, 2010 3:01 am por Vilma Piva

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Fórum
Parceiros

Compartilhe | 
 

 A filosofia em cordel

Ir em baixo 
AutorMensagem
herculano alencar
Amigo Prata
Amigo Prata


Data de inscrição : 16/07/2009
Localização : São Paulo

MensagemAssunto: A filosofia em cordel   Seg Dez 21, 2009 3:34 am

A filosofia em cordel

(Baseado no livro de James Mannion:
“O livro Completo da Filosofia”)

I capítulo:Dos monistas a Aristóteles

No período pré-Socrático,
Quando em pedra se escrevia,
Embora de modo arcáico
-Pois o papel num existia-
Nasceu a filosofia
No pensamento monista:
Primitivos cientistas,
Como Tales de mileto,
Balançaram esqueletos
Dos mitos politeístas.

Precursor e avalista
Da ciência natural,
Sob seu ponto de vista,
A água é fundamental:
O elemento vital
De toda a mãe natureza!
Viveu na sua proeza
Até a morte chegar,
Se não sabia nadar,
Disso não tenho certeza!

Outro ser de mente acesa,
Um tal Pitágoras era:
Homem de boa cabeça
Muito adiante de sua era.
Fez "Música nas esferas",
Formulando um teorema.
Matemático da gema
Cria em reencarnação,
Já que a matéria é fração
E, ainda assim, bem pequena.

Heráclites, Parmênides,
Anaximandro, Zenão,
O ar de Anaxímenes
Com a alma no pulmão
Fez do espirro de então
Surgir o "Deus abençoe!",
Pra que a alma não voe
Deixando o corpo na mão.
Se fiz qualquer confusão,
Que o leitor me perdoe.

E por favor não caçoe
Dos versos de pé quebrado.
Escrevo aquilo que soe
-Para um homem letrado-
Um cordel estruturado
Dentro da literatura,
Por que a essas alturas
Eu já cheguei na idade
De informar a verdade
Para a geração futura.

Seguindo, pois, a leitura
Vou falar dos pluralistas:
Essas nobres criaturas
Que precederam os sofistas.
Empédocles,o analista,
Fez dos quatro elementos
(fogo, água, terra e vento)
As raízes da matéria,
Como o sangue nas artéria,
Da vida, os alimentos.

Uma dupla conhecida
Como "Dueto Atômico"
Fez da matéria partida
Um fragmento eletrônico.
Os dois eram antagônicos:
Demócrito, o risonho;
Leucipo, sério e tristonho,
com tanta sabedoria,
Aventaram, em teoria,
O invisível tamanho.

Deixaram seu patrimônio
Para a ciência hodierna,
Pois o átomo d'antanho,
-Uma grande descoberta-
Deixou uma porta aberta
Para outros cientistas
E outros pontos de vista
no progresso da ciência,
Aclarando a consciência
Pra descobrir novas pistas.

A seguir vêm os sofistas,
Camelôs de pesamento.
A versão capitalista
De dúbio comportamento.
Chegados num fingimento,
-Mercadores de ilusão-
Tinham sempre a solução,
A resposta convicente,
Pra todo tipo de gente,
Que lhe pagasse a sessão.

Protágoras foi o primeiro,
Depois Górgias, o niilista;
Pródico, tal qual banqueiro,
Cobrava consulta à vista.
Todos foram mui artistas
E mestres no retorismo;
Donos de muito cinismo
E enorme sabedoria,
Criaram a filosofia
Do insofismável sofismo.

Terminado o pluralismo,
-com a ética arbritária-
O imoral relativismo
E sua lógica temerária
Foi parar na funerária.
Desta feita entrou em cena,
Na cidade de atenas,
O filho duma parteira,
Uma "mosca-da-madeira"
Tão feio que dava pena.

Sua vida, um dilema!
"Um cavalheiro do ócio"!
Nunca pôs a mão na pena
Pois não era o seu negócio.
Também nunca teve sócio;
Vagava pela cidade
Ensinando a mocidade
A sua filosofia.
Fosse de noite ou de dia
Vivia atrás da verdade.

Não tinha muita vaidade!
Sócrates, um andarilho,
Nunca perdeu o brilho
Tampouco a dignidade.
Homem de grande humildade,
Não arrotava grandeza
Não perseguia a riqueza,
Apenas sabedoria;
A si mesmo conhecia,
Mas nunca dava certeza.

Julgado pela nobreza
Por crime de impiedade,
Fez sua autodefesa
Com enorme hombridade;
Sem faltar com a verdade,
Sem trair seu ideal,
Teve a pena capital
Sentenciado de morte.
Mas não maldisse da sorte
Na sua viagem astral.

Legou o seu cabedal
Pra futura geração
Até no mundo atual
Na carcunda de Platão,
Que manteve a tradição
Da sua filosofia,
Fundando a academia
Baseado em "A caverna",
Uma visão mais moderna
Do que mestre fazia.

As formas, Platão dizia,
São idéia estruturada.
Todo o resto é poesia,
Não contribui para nada.
Até parece piada!
Mas pela sua visão,
A arte era a prisão
Do mundo material;
Corrompia o ideal
Cegando a percepção.

Na “República de Platão”,
Sua obra magistral,
Pelo sim e pelo não,
Etecetera e coisa e tal:
Uma classe social
Daria sustentação,
e todo o poder nas mãos
para o Filósofo-rei,
o qual, em nome da lei,
governaria a nação.

Tamanha contradição
Rezava sua utopia,
Que pobre e pobretão,
Nem estudar poderia.
E, pela sua utopia,
Na sociedade perfeita
A casta que era eleita,
Era Aristocracia.
Falar em democracia,
Até parece desfeita.

Depois que Platão se deita
No berço da eternidade,
Aristóteles dá receita
Da pontecialidade:
Evolução de verdade
Em busca da perfeição...
O universo em progressão...
A externa cosmogonia....
Patética filosofia
Seu desafio a Platão.

Na sua concepção:
A verdadeira amizade
Enobrece o cidadão
E traz a felicidade;
Era uma obscenidade
A prática vil da usura;
Julgava que a criatura
Era um animal social;
Na política, afinal,
Foi um grande “linha dura”.

Voltar ao Topo Ir em baixo
Odir, de passagem
Amigo Prata
Amigo Prata
avatar

Data de inscrição : 11/07/2009

MensagemAssunto: Re: A filosofia em cordel   Seg Dez 21, 2009 5:28 am

VOU ACOMPANHAR , PARI PASSU, ESSA ODISSÉIA CORDELISTA, POETA HERCULANO! FUGIR DO COMUM E ABRAÇAR ORIGENS. DESDE LOGO OS MEUS




APLAUSOS FESTIVOS!!!

ODIR, DE PASSAGEM
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://oklima.net
Vilma Piva
Amigo Diamante
Amigo Diamante
avatar

Data de inscrição : 02/07/2009
Localização : Araras - SP

MensagemAssunto: Re: A filosofia em cordel   Ter Maio 04, 2010 5:12 am



Herculano, querido Poeta,

Aplaudindo teu talento de cordelista, O`grande Poeta pensante !!
Além de nos enriquecer, também nos facilita ter maior compreensão dos grandes filósofos da humanidade, trazendo-os para bem mais perto de nós.

Beijos e Aplausos,
Vilma
Voltar ao Topo Ir em baixo
herculano alencar
Amigo Prata
Amigo Prata


Data de inscrição : 16/07/2009
Localização : São Paulo

MensagemAssunto: Re: A filosofia em cordel   Sex Maio 07, 2010 6:25 am

Grato pelo carinho dos amigos,
Herculano
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: A filosofia em cordel   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
A filosofia em cordel
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
ESPAÇO CULTURAL PARA OS AMANTES DA POESIA  :: VARANDA POÉTICA :: CORDEL-
Ir para: